Ego Moderno: Psoríase!

Psoríase!

Hoje decidi abordar um assunto que deveria ter muito mais divulgação, a psoríase, uma doença não só da pele, mas da mente também, falo isso, porque as lesões são na pele, mas na maioria dos casos está ligada ao fator emocional. Descobri há alguns anos atrás que tenho essa "doença", e agora compartilho com vocês algumas situações que vivi e enfrento a cada crise.

Preciso começar explicando que se trata de uma doença imune-inflamatória crônica da pele, que não tem cura, mas tem controle e não é contagiosa. Sofri muito no inicio, primeiro porque há alguns anos, essa doença não era tão conhecida como é hoje (e continua não sendo tão conhecida, como deveria) então para chegar a esse diagnostico, tive que passar por 11 médicos (entre clínicos gerais, alergistas e dermatologistas), como também, sofri muito com os olhares das pessoas leigas no assunto, mesmo essa doença atingindo cerca de mais ou menos 5% da população (parece pouco, mas não é!)

O motivo causador ainda não se sabe ao certo, mas pesquisas mostram que em alguns casos fatores genéticos estão envolvidos. Só que stress emocional, irritações na pele, entre outras coisas podem aumentar ou iniciar a doença. Em mim, tive a primeira crise quando tinha mais ou menos 17 para 18 anos, na região das nádegas, por questão de stress, mas na época não foi identificado como psoríase, só anos depois. Já a segunda vez se “iniciou” depois de uma crise de stress emocional bem forte. 

A doença normalmente se manifesta por lesões róseas ou avermelhadas recobertas por escamas esbranquiçadas e podem aparecer em varias partes do corpo, em mim, na segunda vez foi quase que no corpo todo quando apareceu pelo inicio do ano de 2013, foram nas mãos, braços, cotovelos, pernas, um pouco nas costas, couro cabeludo, pés e glúteos, foi bem tenso, a pior crise que tive até hoje, e espero que a única nesse nível.

A seguir algumas fotos de como eu fiquei em 2013, a qualidade das imagens não estão 100%, porque foram tiradas do celular e já haviam sido editadas há dois anos atrás para um outro post que foi ao "ar", mas logo em seguida preferi remover...








Tudo isso meche muito com a auto estima da pessoa, primeiro porque ate vir o diagnostico é uma luta (no meu caso). E a cada diagnostico errado e tratamento ineficaz acaba sendo um sofrimento e desgaste emocional grande, ai meio que a situação da doença piora. Segundo, os olhares maldosos das pessoas são muitos cruéis. Há quem não chegue perto de ti por achar muitas coisas, tudo falta de informação. Sofri muito, até mesmo no meu ambiente de trabalho na época.

As dicas que eu poderia dar são: procure um bom profissional para te ajudar, caso você vá a um dermatologista e seja daqueles que mal olhem na tua cara, nem termine a consulta, procure outro. É muito importante um bom profissional para orientar e ajudar a como tratar as lesões. Estar sempre com a pele bem hidratada é a minha segunda dica, assim como estar sempre com protetor solar, nos horários que o sol fica mais forte, pois esse solzão pode acabar dando efeito rebote e suas lesões acabam piorando, o ideal é tomar o banho de sol com aquele frescor da manha (aquele sol bem cedinho sabe, das primeiras horas do dia (vitamina D é fundamental e precisa está em dia), beber bastante água, ter cuidados com a alimentação, usar roupas de algodão, e claro, o amor próprio e aceitação que é só uma fase e logo vai passar. Se você chegar a um consenso com seu dermato que seu problema é por stress, vale muito a pena a ajuda de um psicologo em conjunto no seu tratamento. 

Além das dicas acima, que são de praxe, o que me ajudou muito quando fiquei na situação das fotos, foram os banhos com chás de "melissa e guaçatonga", eu preparava os chás normalmente (as vezes eu usava as duas ervas juntas, outras vezes separadas), colocava na geladeira de um dia para o outro e me banhava com essa água no final de cada banho, esperando secar naturalmente, e em seguida passava um hidratante corporal. A melissa tem o efeito calmante, então ajudava principalmente a aliviar a coceira que eu sentia, e a guaçatonga como tem efeito cicatrizante, cuidava das feridas. Eu usei as duas em conjunto, por serem ervas baratinhas e de fáceis acesso... mas claro, converse com seu médico antes, afinal o que serviu pra mim, pode não servi para vc. 

E claro, o uso de um creme especifico para psoríase, que se estende até hoje quando aparece alguma lesão. Depois de alguns longos meses, a psoríase em mim ficou controlada, fiquei sem nenhuma lesão na pele, como dar para ver na foto abaixo (essa foto é antiga, mas foi depois das lesões). Os cuidados básicos continuam os mesmos... estar sempre com a pele bem hidratada, e proteger do sol nos horários mais fortes.


 
Psoríase não tem cura gente, temos que aprender a lidar com a situação. Hoje em dia, é só eu ficar mais agitada que minha mão esquerda começa descamar e ficar vermelho, as vezes iniciando feridas. Tenho ansiedade e isso não ajuda muito. Mas eu procuro manter os cuidados básicos e quando começa a ficar com qualquer ferida, coloco a pomada que minha dermato indicou e procuro me acalmar ou sair do efeito stress que logo melhoro.


Se você conhece alguém que tenha psoríase, abrace e apoie essa pessoa e aproveita pra compartilhar esse post com ela. Se for VOCÊ que tiver, saiba que essa situação pela qual está passando, é só uma fase e ela tem controle, então procure ajuda médica, faça o tratamento direito, busque informação, cuide da sua pele e da sua mente, e por mais difícil que seja não fique mal por isso, passo por essa situação constantemente e aprendi a conviver, você também vai. Cuide de você! Se eu puder te ajudar nesse momento, to aqui, é só me enviar uma mensagem que a gente se ajuda. Enfim, espero que tenham gostado do post, até a próxima.

Comentários do Facebook
0 Comentários do Blogger

Nenhum comentário:

Postar um comentário